4 SEGREDOS PARA UM RENDER REALISTA

Atualizado: Jan 25


O V-Ray é um renderizador que funciona dentro do software de modelagem. Ele não é um software, é um plugin. A empresa que desenvolve o V-Ray é a Chaos Group e ele existe para vários modeladores: 3DSMax, Rhino, Maya, Revit (em teste) e muitos outros. A interface e as ferramentas podem variar bastante de um software para outro, mas a lógica do V-Ray é sempre a mesma.

Para entender o funcionamento do V-Ray, primeiro você precisa entender que a qualidade e o realismo de uma cena dependem de basicamente 4 aspectos: Modelagem e humanização, Materiais, Iluminação e configurações de render.

1. MODELAGEM

A modelagem e a humanização de uma cena (um ambiente), basicamente depende de você como modelador e também da sua sensibilidade em escolher “blocos” bem modelados. Para quem usa o 3D Warehouse, é preciso saber que blocos “baixar” para humanizar sua cena e ela precisa. Observe se são bem modelados, se tem alto nível de detalhamento.

Na imagem ao lado, perceba que o sofá é muito quadrado, não tem almofadas, o rack tem poucos objetos, a varanda tem apenas um vaso de planta e uma cadeira. A sala não tem rodapé, nenhum trabalho de gesso, nem luminárias. Uma cena como esta, mesmo que bem iluminada não vai gerar uma boa imagem, pois é carente de humanização e a modelagem é pouco cuidadosa.

Fonte da imagem: http://www.alessiocaggiano.it

Note a diferença nesta imagem ao lado. Ela tem vários itens modelados a mais: o rodapé, detalhes no gesso, peitoril da janela, além de muito mais blocos: almofadas, tapete, luminárias, livros coloridos, quadros e até umas caixas no chão (como se alguém tivesse acabado de chegar em casa e deixou ali sem querer). Esta é uma cena que precisa de muito pouco para gerar um render perfeito.

Fonte da imagem: http://www.grafica2d3d.com

2. MATERIAIS

Os materiais na vida real são dotados de diversos aspectos. Vamos tomar como exemplo uma parede de tijolos aparentes. Perceba que o tijolo é um material rugoso e que entre cada tijolo há uma parte de argamassa, que normalmente fica recuada, enquanto o tijolo fica saliente.

O V-Ray tem recursos para simular esse aspecto sem que você tenha que modelar tijolo por tijolo. Pense agora em um vidro incolor. O vidro e outros materiais translúcidos são dotados de refração (isso você deve se lembrar do segundo grau, não é?) e também de reflexão, o V-Ray também consegue simular esses aspectos dos materiais bem como materiais que emitem luz, brilhosos, transparentes e etc.

3. ILUMINAÇÃO

Normalmente, na ordem do fluxo de trabalho, a iluminação é feita depois dos materiais. É através da iluminação que você verá o comportamento dos materiais de forma mais precisa, verá os reflexos, as refrações, as rugosidades e etc e é isso que dá mais realismo à cena. Também será possível notar a complexidade das modelagens, através das sombras geradas. Há vários aspectos que influenciam na iluminação de uma cena.

As luzes são os itens mais importantes, mas lembre-se que até mesmo os materiais influenciam se a cena vai ficar mais escura ou clara. Outro item fundamental são as configurações de render. É comum o usuário iniciante de V-Ray colocar muito poucas luzes na cena, ou exagerar na intensidade delas, com o tempo, você irá adquirir a experiência necessária para saber a hora de parar de alterar as luzes e alterar outros itens que vão tornar sua cena mais real e com a iluminação adequada e desejada.

4. CONFIGURAÇÕES DE RENDER

As luzes e os materiais do V-Ray não trabalham isolados, tudo está interligado. O quarto passo no fluxo de trabalho de uma perspectiva eletrônica é configurar o render. É claro que antes de tudo você deverá ter uma pre-configuração de teste, para poder fazer os primeiros testes de iluminação e materiais. O fluxo de trabalho também não é linear, você pode ajustar uma iluminação depois ou antes de um material, bem como ajustar as configurações antes. Não existe uma regra, uma receita de bolo e seu fluxo de trabalho quem vai definir é você. O mais importante é você ter em mente que todos esses itens influenciam no resultado e saber como influenciam para poder fazer as alterações necessárias.

APRENDA V-RAY!

Quando você entende a lógica de funcionamento do software, você passa a desenvolver melhor suas habilidades no V-Ray e seu aprendizado se torna mais fácil e revigorante.